Wednesday, August 18, 2010

ORQUESTRA OLYMPUS: RACISMO, SEXISMO E HOMOFOBIA NAS VERBENAS GALEGAS




DENÚNCIA COLECTIVA À ORQUESTRA OLYMPUS E POLA IMEDIATA ERRADICAÇOM DOS VALORES DISCRIMINATÓRIOS NOS ESPETÁCULOS DE ORQUESTRA DAS FESTAS POPULARES DA GALIZA




De todas e todos é sabido os valores discriminatórios e principalmente sexistas que grande número de “afamadas” orquestras galegas reproduzem sobre os cenários nas verbenas e festas populares de toda a Galiza.

Os limites do tolerável, se é que a discriminaçom tem algum grau de tolerância, tenhem sido ultrapassados por umha das orquestras mais contratadas do momento, a orquestra Olympus.

Desde o ano passado, este grupo musical conta com um número em que um componente aparece travestido e outro membro do grupo pergunta: “ entom tu és maricom ou nom? a gente tem direito a saber se és maricom”. Isto entre outro tipo de brincadeiras homofóbicas e transfóbicas em que se denigra as mulheres, em especial as transexuais e os homens gays. Noutro momento da atuaçom: "que las solteras levantem las manos que voy a escoger".

Este ano o racismo foi incluído no seu repertório, assim nas suas atuaçons podemos ver como se dirigem a um componente afro-cubano do grupo da seguinte maneira: "a ver negro, a ver se dás feito o final como o fai Manolo Escobar!", "a ver negro, entendes o 'ghalhegho'?" "mirade, um mulato cantando como um andaluz!", chamando-lhe também "cola cao do caralho".

O seu espetáculo musical nutre-se de valores e brincadeiras discriminatórios contra as mulheres, contra o coletivo homossexual e transexual e ultimamente também de carácter racista.

Isto é de umha gravidade ainda maior se pensarmos que som as festas populares, na maioria das vezes totalmente ou em grande parte pagadas com dinheiro público.

Nom podemos permitir que valores inumanos como estes sejam tidos como corretos e menos ainda como divertidos, que tenham cabimento nos nossos festejos. Menos ainda que as instituiçons públicas e ditas democráticas forneçam um lugar e paguem eventos como estes.

Os coletivos e pessoas que abaixo assinamos queremos fazer chegar a nossa mais profunda repulsa por este tipo de espetáculos que suponhem umha apologia da intolerância e os valores discriminatórios. Queremos exigir à orquestra Olympus em particular, e ao resto de orquestras galegas, a imediata reformulaçom dos seus espetáculos de maneira que erradiquem o sexismo, a homofobia, o racismo e qualquer valor discriminatório.

De nom obtermos umha resposta satisfatória continuaremos com o nosso protesto perante a justiça, assim como com as iniciativas sociais de denúncia que considerarmos oportunas.

ASSINA ESTA DENÚNCIA ENVIANDO-NOS UM E-MAIL A: panterasgz@gmail.com

Colectivos: Nome e concelho.

Individual: Nome completo, ocupaçom e concelho.


Também podes fazer chegar a tua queixa individual à orquestra Olympus no seu email: info@orquestaolympus.net


5 comments:

Anonymous said...

Eu diríavos que por si acaso non saiades da casa, non vaia ser que vexades alguén faga un chiste sobre LGBT e teñades que volver chorando. Igualmente, non encendades a tele!!!

Dios, que país de reprimidos e queixicas.

Fran said...

Se cadra *s principais reprimid*s son *s que teñen que construír o seu "humor" ou a súa diversión a conta da humillación d*s demais, especialmente d*s que consideran "diferentes" ou "inferiores". Eu non penso nin calar nin tolerar. Alá cada quen!

Antom Ferreira said...

acabaramos anonymous!!! eu é que pensava que a Olympus era um expectaculo musical. E polo que ti dis nom, é umha actuaçom humoristica.

Entom so dizer que é bem triste, aborrecida, de vergonha alheia, falta de originalidade e creatividade, humilhante. Ademais de ser um fraude, porque eles vendem-se como músicos.

. said...

lego aqui desde Galicia confidencial y alucino con algun comentario y con los videos; lo peor es que lo hace una orquesta que no necesita caer en tales chorradas para conseguir contratos, si no pusieran esos números en los espectáculos tendrían el mismo éxito pero claro esas chorradas funcionan entre cierto público, cada vez menos por suerte. Sobre la salida de tono del tal peque aunque después la borrara ya no digo nada, se define por si sola

Javier said...

Panteras, fusilastes unha noticia do galizalivre e nen citastes a fonte...

Polo demáis, ADIANTE!!!

STOP HOMOFOBIA!